Pilotos de UTV, Bruno Conti, 16 anos, e Nicole Piano, 14 anos, falam da importância da figura paterna na formação pessoal, assim como nos ralis e dos planos para o futuro

 

Pai e filha garantiram pódio em suas respectivas categorias, no último rali (Nelson Santos Jr/PhotoAction)

Na semana do Dia dos Pais, dois jovens pilotos paulistas já mostraram que vão seguir o mesmo caminho dos pais quando o assunto é rali. Bruno Conti, 16 anos, filho de Rodrigo Luppi, e Nicole Piano, 14 anos, a caçula do multicampeão Edu Piano se apaixonaram pelo esporte e pela categoria que mais cresceu no grid nacional na última década. Ambos pilotam UTVs (Maverick X3), preparados pela equipe, no Campeonato Brasileiro de Rally Baja, pela categoria Start (destinada a pilotos menores de idade que devem estar acompanhados por um navegador habilitado), e herdaram o DNA off-road dos pais pilotos. Por outro lado, os pais se orgulham de poderem criá-los também em um ambiente de competição saudável no qual são exigidos dedicação, empenho e determinação que influenciam diretamente na formação pessoal.

Estreia de Bruno nos ralis em 2018, sempre com o apoio incondicional do pai (Divulgação)

“Meu pai é uma inspiração tanto na parte pessoal quanto na profissional. É meu ídolo, dá muito duro para me proporcionar todas as coisas para mim. Quero ser igual a ele ou até melhor, é um cara que me dá conselhos e dicas para que eu não cometa os mesmos erros, principalmente no rali. Pai é pai, está sempre me protegendo e ajudando em tudo. O amo muito e representa uma parte gigantesca na minha vida”, elogia Bruno. Luppi também não esconde o orgulho que sente do jovem determinado que o filho se tornou. “O ambiente do rali é sadio, onde podemos levar nossos filhos, ter contato com pessoas decentes que gostam de curtir a natureza e gostam de se confraternizar e isso para o Bruno é muito bom. Ele cresceu como piloto, ganhou maturidade enfrentando novos desafios e conhecendo o Brasil. Estou muito satisfeito, está bem encaminhado e fazendo novas amizades e isto é bom para o crescimento como ser humano também. É muito gratificante ver meu filho compartilhando o mesmo esporte”, explica o piloto que há duas décadas começou no rali.

Nicole poderia continuar no vôlei ou fazendo ballet mas preferiu radicalizar e fazer o esporte que o pai se dedica há mais de 25 anos. “Ele é muito importante para mim, meu pai me apoia demais. Essa vontade que tenho de correr é tudo por causa dele. Desde pequena o assisto nos ralis e fui criando uma vontade de acompanhá-lo, de correr junto com ele. Agradeço muito a ele por tudo, sem ele não estaria competindo, não teria as coisas que tenho e eu o amo muito”, diz a adolescente. “É uma felicidade. Tenho orgulho de ela gostar de andar na terra, uma coisa que sempre amei. É legal vê-la feliz e saber que está se divertindo, porque isso é mais importante. Quem sabe tenha esse esporte como um hobby, para mim começou como divertimento e virou profissão”, destaca Piano, que antes de ser um dos recordistas de títulos (oito vezes campeão) do Sertões, maior rali das Américas, foi jipeiro e fez anos de trilhas pelo Brasil afora. Além de Nicole, o filho mais velho, Nathan, já competiu no Campeonato Brasileiro em 2018, quando tinha 16 anos, aprovou a experiência nos UTVs mas focou no vestibular. “Fiquei contente de o Nathan também ter gostado de pilotar na terra e acredito que logo volte a andar, agora entrou na faculdade este ano e quer se dedicar aos estudos”, completa.

Não nega o DNA off-road: Nicole, aos 14 anos, faz planos para o rali (Nelson Santos Jr/PhotoAction)

Início com pódios – Bruno estreou no final de 2018 no tradicional Rally dos Amigos, e não parou mais. Em 2019 fez toda a temporada do Brasileiro de Rally Baja e foi vice-campeão da Start com 15 anos. Chegou a liderar o campeonato e teve um ótimo desempenho. “Que temporada foi a do ano passado! Fui Vice-Campeão Brasileiro no primeiro ano. Lutei muito pelo título, mas não deu. E evolui como piloto e aprendi demais!”, afirma o jovem de Vinhedo (SP), que entrou determinado e com pé no chão no campeonato, sabia que o objetivo maior era o aprendizado, ganhar quilometragem e conhecer diversos tipos de terrenos e contou com a navegação de experientes competidores como Fausto Dallape, Flavio Bisi e Maykel Justo.

Em outubro de 2019, também aos 14, Nicole ganhou de Dia das Crianças a inscrição em uma prova do Campeonato Brasileiro (Rally Serra Azul) e o presente veio com um bônus: o pai deixou de competir para navegar para a filha, que por sua vez, conseguiu pilotar pela primeira vez num rali. E a “brincadeira” seguiu adiante e Piano acabou abrindo mão de duas provas e seus pontos no campeonato para poder estar com Nicole. A dupla conquistou dois pódios na Start. “É maravilhoso! Depois que a gente larga não sente calor, nem sede, é muita concentração. É um esporte mais bruto porque são muitos buracos, saltos, poeira, velocidade, mas gosto de aventura, me apaixonei e estou gostando de tudo, até de andar na lama”, diz Nicole que não nega a quem puxou.

Bruno levantou poeira em julho e garantiu pódio com o novo UTV (Virgílio Cruz/PhotoAction)

Retorno às competições – Devido à pandemia, Bruno e Nicole só conseguiram competir em julho, na segunda prova da temporada 2020 do Brasileiro de Rally Baja, a expectativa era grande para a etapa no interior paulista. Bruno estreou um novo UTV, bem mais potente e com o qual o pai competiu o Sertões e outras provas importantes no ano passado. “O UTV está animal, sensacional e me diverti muito no fim de semana, venci três das quatro Especiais”, disse o piloto que terminou em 2º lugar na categoria e teve Mayel Justo como navegador. “A próxima prova será no final de agosto, o Rally Jalapão. É um lugar incrível o deserto do Jalapão e ano passado tive a oportunidade de andar pela primeira vez lá no Tocantins”, conta o piloto.

Já a piloto de Tatuí (SP) comemorou a sua primeira vitória na Start, em seu terceiro rali. “Não estou acreditando até agora que venci na minha categoria! Foi bem diferente das outras, estava apreensiva mas levei a prova mais na boa, ao lado do Manuel (Ruivo). Nas duas primeiras provas com meu pai, senti uma certa tensão pelos títulos que ele conquistou e ser quem ele é”, explica Nicole. “Este ano quero aprender mais para evoluir na pilotagem, me adaptar melhor ao UTV e torço para que tenham mais mulheres no grid, porque é um esporte para todos”, diz a jovem, que mesmo no início de carreira, já incentiva mulheres a entrarem no esporte, que é dominado por homens.

Em comum, além de crescerem assistindo os pais acelerando nos ralis e subindo aos pódios, também gostam de outros esportes. Bruno também joga tênis enquanto Nicole já praticou vôlei e futebol, mas ambos confessam que o que querem mesmo é continuar acelerando na terra e comendo poeira. Filho de peixe, peixinho é!

Mais informações sobre a equipe: www.territoriomotorsport.com.br, Facebook: @territoriomotorsport4x4, Instagram: @territoriomotorsport e Twitter @territorio4x4


Por Mércia Suzuki

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

F-E: com carro novo, Di Grassi volta a acelerar em testes coletivos

Pista de Valência, na Espanha, receberá todo o grid do Campeonato Mundial a partir deste s…